quarta-feira, 25 de julho de 2012

Docinhos caseiros

Acho fundamental conhecer meus fornecedores de alimentos e saber a procedência daquilo que eu consumo. Por isso mesmo, gosto de fazer minhas compras, por exemplo, no Mercado da Lapa, quase sempre nos mesmos boxes, onde já conheço os vendedores. Rolam papos agradáveis e uma relação de confiança. 

De todas as pessoas de quem eu compro, de longe a Dona Elisa é a mais querida. Ela vende doces caseiros na feira da minha rua, mas só a cada 3 semanas, porque a feira aqui é totalmente decadente, com meia dúzia de barracas.


Os doces da Dona Elisa são caprichados, com gosto de fruta mesmo. A geleia de goiaba dela é do outro mundo, com gosto e aroma de fruta de verdade, e eu comprei algumas vezes para fazer o bolo Romeu e Julieta que vou publicar em breve aqui no blog.


Doce de abóbora em pedaço, com a casquinha dura, figo cristalizado, figo em calda, doce de laranja, de mamão, goiabada cascão, geleias de morango, de maracujá com pera, de laranja. E tem também cocadas maravilhosas, molhadinhas ou assadas, e esses pãezinhos deliciosos. Quase sempre eu saio carregada de lá. 

E claro, Dona Elisa é uma dessas mulheres empreendedoras que eu admiro (e sobre as quais já escrevi aqui), que como tantas brasileiras, dá o seu jeito de produzir e vender sua produção e ganhar o seu dinheiro. Aliás, Dona Elisa é, com o pecado do trocadilho, um doce mesmo, atende as pessoas com um sorrisão e boa vontade, e de quem eu tenho a sorte de receber um abraço quentinho e carinhoso quando apareço lá na banca dela. 

Dona Elisa está toda semana na feira da Rua Luminárias, na Vila Madalena, às quartas-feiras, e na feira da Rua Dom João V, na Lapa, às quintas. É só procurar o rosto simpático ali em cima!

Que tal servir docinhos caseiros como sobremesa de um jantar caprichado?


2 comentários:

  1. Ceci ¨descobrï o seu espaço, é simplesmente maravilhoso, amo iogurte e vou faze-lo,tenho leite da minha vaquinha e vai ficar legal,amo cozinhar, fazer doces e bolos,fazer trico a mão e a máquina,sou uma senhorinha de 67 anos, aposentada,moro no interior da Bahia no Entroncamento de Jaguaquara(toca da onça)é roça mesmo. vivo com meu marido,os 3 filhos já içaram vôo,meu marido é agricultor de maracujá, amo VIVER, desculpe a carta,delete depois de ler, beijos vou segui-la.consuelo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dona Consuelo, fico muito feliz com a sua visita e com seus elogios! Que delícia de mensagem! Espero que a senhora volte mais vezes.
      Deve ser bom demais ter produtos da terra e viver mais saudável. Eu não faço tricô mas gosto muito de bordar. Qualquer dia vou postar alguma coisa.
      Um grande abraço e obrigada!

      Excluir