quarta-feira, 25 de julho de 2012

Docinhos caseiros

Acho fundamental conhecer meus fornecedores de alimentos e saber a procedência daquilo que eu consumo. Por isso mesmo, gosto de fazer minhas compras, por exemplo, no Mercado da Lapa, quase sempre nos mesmos boxes, onde já conheço os vendedores. Rolam papos agradáveis e uma relação de confiança. 

De todas as pessoas de quem eu compro, de longe a Dona Elisa é a mais querida. Ela vende doces caseiros na feira da minha rua, mas só a cada 3 semanas, porque a feira aqui é totalmente decadente, com meia dúzia de barracas.


Os doces da Dona Elisa são caprichados, com gosto de fruta mesmo. A geleia de goiaba dela é do outro mundo, com gosto e aroma de fruta de verdade, e eu comprei algumas vezes para fazer o bolo Romeu e Julieta que vou publicar em breve aqui no blog.


Doce de abóbora em pedaço, com a casquinha dura, figo cristalizado, figo em calda, doce de laranja, de mamão, goiabada cascão, geleias de morango, de maracujá com pera, de laranja. E tem também cocadas maravilhosas, molhadinhas ou assadas, e esses pãezinhos deliciosos. Quase sempre eu saio carregada de lá. 

E claro, Dona Elisa é uma dessas mulheres empreendedoras que eu admiro (e sobre as quais já escrevi aqui), que como tantas brasileiras, dá o seu jeito de produzir e vender sua produção e ganhar o seu dinheiro. Aliás, Dona Elisa é, com o pecado do trocadilho, um doce mesmo, atende as pessoas com um sorrisão e boa vontade, e de quem eu tenho a sorte de receber um abraço quentinho e carinhoso quando apareço lá na banca dela. 

Dona Elisa está toda semana na feira da Rua Luminárias, na Vila Madalena, às quartas-feiras, e na feira da Rua Dom João V, na Lapa, às quintas. É só procurar o rosto simpático ali em cima!

Que tal servir docinhos caseiros como sobremesa de um jantar caprichado?


segunda-feira, 23 de julho de 2012

Torta de frango e legumes estilo americana


Pesquisando receitas de torta de frango, encontrei esse tradicional prato americano, a chicken pot pie, que até se parece com o nosso empadão, mas é montada em um refratário e só coberta com massa. É o tipo de torta com muito mais recheio do que massa!

Como meu filho é muito enjoado com vegetais e eu ando cansada de tortas de liquidificador, peguei a ideia e adaptei ao gosto dele e aos legumes que eu tinha na geladeira no domingo à noite: uma abóbora paulista e uma cenoura. Surpreendentemente, o resultado foi excelente!


Claro que você pode e deve usar todos os vegetais que quiser. Eu quero testar com mandioquinha e abobrinha no recheio da próxima vez. Imagine como deve ficar bom com cogumelos também!

Torta de frango e legumes estilo torta americana

Ingredientes:
Meio peito de frango cozido
Caldo do cozimento do frango
1 abóbora paulista pequena, cortada em cubos pequenos
1 cenoura, cortada em cubos pequenos
Cebola e alho picados, sal e temperos a gosto (usei páprica, pimenta-do-reino branca e salsinha picada)
1 colher (sopa) de farinha de trigo branca

Para a massa (pode ser substituída por massa folhada comprada pronta, mas esta é muito fácil de fazer):
1 xícara de farinha de trigo branca
2 colheres (sopa) de manteiga
1 colher (chá) de fermento em pó
1 ovo
Sal a gosto
1 gema + 1 colher de água para pincelar

Modo de preparo:

1. Cozinhe o peito de frango em água com um talo de salsão, uma cebola espetada com 3 cravos, pedaços de cenoura, folhas de louro, talos de vegetais ou de cogumelos, enfim, os ingredientes que você tiver à mão para dar sabor ao caldo. Cozinhe na panela de pressão por 15 minutos contados a partir do início da pressão. Ao final, deixe o frango esfriar e reserve o caldo. 

2. Prepare a massa: misture bem todos os ingredientes, enrole em filme plástico e mantenha na geladeira por no mínimo 1 hora (é o tempo para cozinhar o frango, preparar a torta e deixar que ela esfrie um pouco).

3. Refogue a cebola com o alho, em seguida acrescente a cenoura e a abóbora em cubinhos e refogue por alguns minutos. Acrescente umas 2 a 3 conchas do caldo de frango e deixe cozinhar por cerca de 10 minutos, até que os vegetais estejam macios mas firmes.

4. Acrescente o frango picado grosseiramente com a faca. Adicione mais caldo se necessário, de modo a manter algum líquido. Em meio copo de água à temperatura ambiente, dissolva bem a farinha de trigo e despeje na panela, mexendo bem para não empelotar. Deixe o caldo engrossar sem secar, corrija o sal e finalize com pimenta-do-reino e salsinha picada.


5. Passe esse refogado para um ramekin ou outro refratário, de modo que o recheio preencha totalmente o recipiente - caso contrário a massa afundará. Uma ideia excelente é usar ramekins individuais. Deixe esfriar um pouco. Aqueça o forno.

6. Retire a massa da geladeira e abra com rolo sobre uma superfície enfarinhada, um pouco maior do que a circunferência do recipiente onde está o recheio. É muito importante fazer algumas aberturas na massa antes de transferi-la para o recipiente, pois essas aberturas é que permitirão a saída do vapor durante o cozimento. Cubra o refratário com a massa, de forma a sobrar cerca de 3 cm de cada lado. Pincele com a gema misturada com água e leve para assar por 15 minutos. 



Delicie-se!







quinta-feira, 19 de julho de 2012

Bolo de figo e especiarias


Minha amiga Renata é louca por figo. Por isso, eu me lembrei dela quando fiz este bolo tão aromático e levei para ela experimentar. A Renata deu à luz uma linda menininha no fim de junho, num emocionante parto domiciliar - conforme ela relata aqui. Quatro dias antes de a Liz nascer, fui fazer uma visitinha e preparei as bruschettas de figo e ricota seca da Letícia da Cozinha da Matilde, que são simplesmente maravilhosas - receita aqui! Enfim, fiquei feliz de mimar a Renata com dois pratos diferentes feitos com figo.

Bolo de figo e especiarias

Ingredientes:
3 ovos
1 xícara de açúcar mascavo
2 colheres (sopa) de manteiga
5 ou 6 figos frescos descascados e passados no processador
2 xícaras de farinha de trigo peneirada
1 colher (sobremesa) de fermento em pó
1/2 colher (chá) de canela em pó
1/2 colher (café) de cardamomo em pó
1/2 colher (café) de cravo em pó

Bata as claras em neve e reserve.
Bata bem o açúcar com as gemas e a manteiga. Desligue a batedeira e acrescente os demais ingredientes, exceto o fermento e as claras. Leve à batedeira por mais 1 minuto no máximo.
Desligue, incorpore o fermento em pó peneirado e em seguida as claras em neve.
Asse em forma média, em forno moderado pré-aquecido.






terça-feira, 17 de julho de 2012

A culinária do sertão


Semana passada li "O Não Me Deixes" da Rachel de Queiroz. (3a. ed., Ed. José Olympio, 2010).
Nele a Rachel abre as portas da casa de fazenda no interior do Ceará pra mostrar os hábitos culinários e sociais.
Nas palavras dela: "Casa tão rústica, austera como um convento pobre, as paredes caiadas, os ladrilhos vermelhos, o soalho areado. As instalações rudimentares, a lenha a queimar no fogão, a água de beber a refrescar nos potes."
Mas, apesar da simplicidade e da falta de conforto, ela reconhece o apego ao lugar: "Por que tanto carinho e amor por estas terras ásperas? Não sei. Mistério é assim: está aí e ninguém sabe. Talvez a gente se sinta mais pura, mais nua, mais lavada. E depois a gente sonha."
E ao terminar de ler, a gente se sente meio deslocada nessa metrópole do consumo estéril: "Há um prazer áspero na permanente descoberta de quanto supérfluo a gente se sobrecarrega e de como é fácil a gente se despojar dele. É como tirar uma casca suja. Ou uma pele velha, seca, engelhada."
Enquanto descreve a paisagem e os hábitos, Rachel discorre sobre a culinária local, toda feita ali, com o fruto escasso da terra e das criações. Fiquei impressionada com a descrição de como se preparam o queijo coalho, a farinha de mandioca e a cajuína.
As receitas em si, reconheço, não são exatamente práticas pra gente aqui da cidade grande.
Tudo entremeado de histórias desse povo simples e cheio de princípios que é o nordestino. Fiquei encantada com o trecho em que Rachel descreve as festas alegradas pelos "tocadores":
"Nas suas melhores roupas e na maior educação, chegam-se [as moças e rapazes da redondeza] para cumprimentar os donos da casa e as visitas, e vão se abancando no parapeito do alpendre. Lá pelas tantas, depois de muitas conversas e cantorias, vêm pedir licença para dançar. A licença é dada, e os pares logo enchem o alpendre. Sem namoros, sem agarramentos, sem conversas, e a gente bem vê que é só o prazer da dança".
É um retrato bonito dessa gente tão incompreendida aqui no Sul.
Rachel de Queiroz (1910-2003) foi uma das grandes presenças feministas na literatura. Foi militante comunista e a primeira mulher eleita para a Academia Brasileira de Letras. Suas obras mais famosas são O Quinze, Memorial de Maria Moura e Dora, Doralina. Também traduziu grandes obras, inclusive várias de Dostoievski.
(Este post foi publicado originalmente no meu blog Lia de Lua em 15/11/10)

domingo, 15 de julho de 2012

Iogurte caseiro

Fazer iogurte caseiro em casa é muito fácil e econômico (mais ou menos a metade do preço). Mas principalmente mais saudável. 

Outro dia a Iara levantou a lebre no 365 Dias de Comida Honesta: tem iogurte "natural" no mercado que além de leite e fermento lácteo, contém em sua composição amido modificado, estabilizante e gelatina. Como assim??? E olha que é marca forte no mercado.

Ler os rótulos dos produtos é um hábito que eu ainda estou adquirindo. Mas não ajuda nada o fato de  informações importantes do produto serem grafadas em letras minúsculas, praticamente ilegíveis para quem não tem visão perfeita. As pessoas idosas são as têm mais restrições alimentares e são justamente as que, no geral, enxergam com mais dificuldade. Pra gente ver como as indústrias tratam o consumidor.

Claro que é possível fazer iogurte usando fermento lácteo, mas vamos pelo método mais acessível.

Iogurte natural caseiro

Ingredientes:
1 litro de leite integral*
150 ml de iogurte natural

Ferva o leite e reserve.
Após cerca de 30 minutos, comece a testar a temperatura do leite fazendo o seguinte teste: mergulhe o dedo indicador no leite. Quando a temperatura for suportável durante 30 segundos, é hora de adicionar o iogurte. Não espere o leite esfriar.
Misture bem o iogurte, coloque num pote com tampa, embrulhe com uma toalha grossa e deixe num canto de um dia para o outro. Ele ficará firme. Mantenha refrigerado por até 10 dias.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Bolo de iogurte e chocolate sem glúten


Lucas começou um acompanhamento com a nutricionista, e uma das mudanças mais importantes na primeira fase foi tirar os alimentos com glúten da dieta por 2 meses. Com algumas pesquisas e mais umas adaptações, cheguei a uma receita de bolo muito boa, que tenho testado com vários ingredientes diferentes. Desta vez foi chocolate e ficou ótimo!

Bolo de iogurte e chocolate sem glúten

Ingredientes:
4 ovos
1 xícara de açúcar (de preferência orgânico)
2 colheres (sopa) de manteiga
1 xícara de iogurte integral
1 xícara de farinha preparada (ver abaixo)
1 xícara de farinha de amêndoa
2 colheres (sopa) de chocolate em pó
1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de fazer:
Bater as claras em neve e reservar.
Bater as gemas com o açúcar e a manteiga até obter um creme claro.
Desligar a batedeira, incorporar o iogurte, peneirar a farinha preparada e misturar bem (à mão ou ligeiramente na batedeira).
Misturar à mão o fermento em pó e por último as claras em neve.
Colocar a massa em uma forma muito bem untada e enfarinhada ou forma de silicone. A massa sem glúten adere muito às paredes da forma.
Assar por 10 minutos em forno alto, em seguida reduzir para forno médio sem abrir a porta e assar até que, ao introduzir uma faca no centro do bolo, ela saia limpa.
Desenformar morno.

* Farinha preparada: misturar bem 3 xícaras de farinha de arroz, 1 xícara de fécula de batata e 1/2 xícara de polvilho doce. Guardar em um pote fechado.

Obs.: Eu compro farinha de amêndoas a granel no Mercado da Lapa, Box 54, Aloíse Festas, ou nas lojas da Rua Mercúrio na Zona Cerealista.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Molho de tomate caseiro


Eu não planejei fazer molho de tomate. Apenas comprei uma dúzia de tomates e acabei não usando. Recorri às minhas preciosas fontes no 365 Dias de Comida Honesta e choveram dicas de como preparar. Fiz do jeito mais simples possível, pretendo repetir com variações.

Sempre é possível preparar e congelar porções de molho de tomate adicionando ervas variadas, ou azeitonas, alcaparras ou mesmo carne - que aí já vira molho à  bolonhesa. Ainda acho mais prático preparar o molho básico e variar os temperos na hora de usar.

Quanto ao preparo, tem gente que tira a pele e as sementes, como mandam os bons manuais de gastronomia. Mas a maioria das pessoas com quem conversei vai pelo método mais prático mesmo: tomate com casca e tudo.

Sério, não tem complicação. Levei uns 10 minutos para picar os tomates e refogar tudo. Depois o molho cozinhou lindamente por 2 horas, durante as quais eu passei ocasionalmente para dar uma mexida.

Molho de tomate caseiro

Ingredientes:
12 tomates picados grosseiramente
1 cebola picada
2 dentes de alho amassados
cerca de 20 colheres (sopa) de azeite extravirgem
1 colher (café) de sal
1 colher (sopa) de açúcar
Várias folhas de louro
Opcionais: 1 talo de salsão, um punhado de manjericão, orégano, meia cenoura ralada

Refogar a cebola, o alho e o sal no azeite. Acrescentar os tomates. Quando começar a amolecer, acrescentar o açúcar e eventuais temperos. Cozinhar em fogo baixo por cerca de 2 horas.

Obs.: Não acrescentar água. Recomenda-se usar pouco ou nenhum sal e corrigir quando for utilizar o molho num preparo.


segunda-feira, 9 de julho de 2012

Cupcake de Paçoca

Inventei estes cupcakes ano passado para uma festa junina. São muito fáceis de fazer e ficam bem saborosos.

Cupcake de Paçoca

Ingredientes:
2 xícaras de farinha de trigo peneirada
1 xícara de açúcar (de preferência orgânico)
2 colheres (chá) de fermento em pó
1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio
2 ovos (de preferência caipiras)
1 xícara de leite integral
3/4 de xícara de óleo (de preferência de girassol ou milho)
6 paçocas de rolha passadas no processador ou liquidificador

Modo de fazer
Misture todos os ingredientes usando um batedor de arame (fouet). Não é preciso usar a batedeira elétrica.
Em uma assadeira para cupcakes, preencha 3/4 de cada forma de papel com a massa.
Asse em forno pré-aquecido à temperatura média por 15 minutos. 
Opcionalmente, polvilhar os cupcakes assados com a paçoca processada. 


Rendimento: 16 unidades