domingo, 11 de novembro de 2012

Piadina


A piadina é uma das opções de lanche mais versáteis que eu descobri nos últimos tempos. A dica veio da Cynthia Semíramis, que me mandou também o link de um vídeo da Rita Lobo com o preparo.

Além de descomplicada, ela conserva bem na geladeira e é uma base saudável para um lanche ou jantar.

Dá pra usar recheio quente ou frio, mas com o calor que tem feito, ela ficou ótima com tomate, mussarela de búfala, palmito, azeitona e rúcula. Use a imaginação e recheie com salada de frango, frios, atum grelhado...

A receita da Rita Lobo é a versão com parte de farinha integral, e eu achei ótima, nem me interessei em tentar sem ela. Desta vez acrescentei tomilho seco à massa e ficou ainda melhor!



Piadina

1 xícara de farinha de trigo integral
2 xícaras de farinha de trigo branca
2 colheres (sopa) de azeite
1/2 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de fermento em pó (para bolo)
1 xícara de leite integral
Opcional: 1 colher (chá) de tomilho seco

Misture os ingredientes secos numa tigela. Faça uma cova, despeje o azeite e misture com um garfo.

Faça novamente uma cova e acrescente o leite em 2 partes. Amassa muito bem com as mãos.

Transfira para uma bancada ligeiramente enfarinhada, faça um rolo e divida em 6 partes. Cubra com um pano para não ressecar.

Abra cada parte com um rolo, até ficar bem fininha. Fure a massa com um garfo.

Frite em uma frigideira antiaderente, vire e frite do outro lado. (Eu usei a bistequeira porque a minha frigideira é um pouco pequena, mas deu certo e ainda ficou com as marcas dos sulcos.)


Agora é só rechear! Uma opção bacana é servir as piadinas com várias opções de recheio e cada um monta a sua versão.


Trocando industrializados por caseiros:

A ideia da Piadina surgiu quando comentei no grupo do Facebook, o 365 Dias de Comida Honesta, sobre o Rap10 da Pullman, e a Cynthia sugeriu essa receita caseira, muito melhor! Só dá uma espiada nos ingredientes do produto industrializado: farinha de trigo fortificada com ferro e ácido fólico, gordura vegetal (gordura trans!), sal, fermentos químicos bicarbonato de sódio, pirofosfato ácido de sódio e fosfato monocálcico, acidulante ácido fumárico, conservador propionato de cálcio e ácido sórbico.

 Não é produto químico demais para um pão?

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Frutas glaceadas


Uma das minhas tentações favoritas: frutas glaceadas! Na foto, morangos, abacaxi e mamão com maracujá.

Elas diferem das frutas cristalizadas por serem cobertas por uma camadinha opaca de açúcar, sem os cristais de açúcar típicos das frutas cristalizadas. Também acho que são menos enjoativas.

Estas eu comprei no Mercado da Lapa, box 104. Aliás, o Mercado da Lapa é uma boa surpresa para muita gente: a maioria dos boxes foi reformada e tem produtos de qualidade a preços muito bons! Dá uma espiada na quantidade de caixas de produtos aí na foto - praticamente todos os produtos que eu só via nos armazéns da Rua Mercúrio no Centro.


domingo, 4 de novembro de 2012

Pão de queijo


Acho que estou adquirindo uma espécie de fetiche por ingredientes de qualidade e pegando birra comida  industrializada que finge ser o que não é. E claro, quando a gente sabe a procedência daquilo que usa para se alimentar e alimentar os outros, a gente ganha em saúde, em sabor, e às vezes até ajuda a fortalecer a economia do pequeno produtor, como no caso dos produtos orgânicos.

Hoje eu fiz pão de queijo só com ingredientes da melhor qualidade: polvilho que veio direto de Minas, ovos orgânicos, queijo da Serra da Canastra; e a receita veio de um casal de mineiros simpaticíssimos, a Deborah e o Ricardo, que eu conheci através de outros amigos. 

Inclusive a Deborah e o Ricardo me deram a dica de como curar o queijo mineiro: ele deve ser mantido fora da geladeira, só coberto com uma telinha, em local bem fresco, sendo virado todos os dias. No começo é preciso lavar e secar muito bem o queijo, assim como o recipiente em que ele estiver sendo mantido. Com paciência, dizem, o queijo fica cada vez melhor (mas a Deborah avisou que o cheiro é muito forte, pra dizer o mínimo). Eu que vinha guardando meu queijo na geladeira, já coloquei o pedaço que sobrou para "curar" e vou esperar pelo resultado. 

Quando o Lucas chegou hoje do Enem, eu estava com a primeira fornada terminando de assar, e ele ficou todo animado. Desde pequeno ele sempre foi louco por pão de queijo!

Ainda congelei uma dúzia de pãezinhos de queijo, em congelamento aberto, ou seja, coloquei numa bandeja direto no freezer, e quando eles endurecerem, vou transferi-los para um saquinho bem fechado. Assim eles não grudam no congelamento. #ficadica

Pão de queijo

400 g de polvilho azedo
¾ de xícara de água
¾ de xícara de óleo
2 ovos
250 g de queijo ralado no ralo grosso
1 colher de chá de sal
½ xícara de leite

Misture o polvilho com o sal. Ferva a água com o óleo e despeje sobre o polvilho para escaldar. Misture com um garfo. A massa vai ficar toda empelotadinha. Acrescente o leite aos poucos e comece a amassar, conforme a temperatura permitir manipular a massa. 


Espere esfriar um pouco para acrescentar os ovos. Amasse bem até incorporar os ovos, e por fim acrescente o queijo ralado, agora sem amassar demais. A massa gruda bem nas mãos, mas não é muito complicado.

Em seguida, lave bem as mãos, seque e unte-as com óleo. Faça bolinhas de massa com a quantidade de uma colher de sobremesa. Disponha as bolinhas num tabuleiro sem untar. 


Asse em forno pré-aquecido, à temperatura média. Se não for consumir, congele o pão de queijo antes de assar, em congelamento aberto. 

Rendimento: 50 unidades

De olho no rótulo dos produtos industrializados!
Algumas marcas de pão de queijo que você encontra no supermercado contêm gordura vegetal hidrogenada. Mas pior mesmo é a mistura para pão de queijo, que contém "condimento preparado sabor queijo, farinha de trigo, antiumectante dióxido de silício e glutamato monossódico.